A criança de 3 anos

A criança de 3 anos

Nossa! 3 anos! Nesse momento, você deve estar pedindo para o tempo passar um pouco mais devagar, porque seu filho está praticamente um mocinho. Com muito pouco a se fazer para deixar de ser um bebê e se tornar uma criança totalmente independente.

Ele anda com facilidade, aliás corre, dança, gira, pula com as duas pernas, com uma só. Brinca com outras crianças, sabe conversar, está aprendendo a dividir os brinquedos e entende alguns padrões de convivência, ainda que queira passar algumas regras.

Vocês conseguem conversar e se entendem muito bem. Ele está aprendendo a expor os sentimentos e lidando com eles com mais tranquilidade, trabalhando conflitos. Mas ainda deixa os adultos com os cabelos em pé, especialmente quando querem tentar algo novo como pular de um lugar mais alto.

Ele vai bater o pé, e bem forte, para aquilo que quer e desafiar algumas ordens. Continue conversando firme, porém com paciência. Lembre-se, que conforme ele cresce tudo muda, tudo passa é como vocês resolvem juntos as situações que definem como as próximas fases serão.

 

Estímulos e Brincadeiras

Aos 3 anos, é esperado da criança que além de construir frases, comece a ter o poder de argumentação. Para isso, é preciso estimular durante as conversas, propondo respostas mais elaboradas.

A criança precisa pensar a respeito dos desejos dela. Por que quer determinada coisa, por que deve ser dessa forma? Incentive as respostas e se interesse por elas.

Uma atividade que estimula a imaginação e a conclusão são livros com histórias que trazem apenas figuras, sem o texto. Durante a hora da leitura, peça para a criança observar os desenhos e imaginar como deve ser o diálogo.

Bambolês, cordas, colchonetes e almofadas são materiais úteis para criar diversas atividades tanto separadas, quanto em conjunto. Crie um circuito com pequenos obstáculos para treinar a concentração, a prática de exercícios e a persistência em alcançar determinado objetivo.

Brincar de estátua estimula a atenção, a criatividade e a paciência em tentar ficar parado o máximo de tempo que conseguir. Associada a essa brincadeira, vocês podem dançar ao som de músicas animadas.

 

Alimentação

Ele se movimenta o tempo todo, pratica diversas atividades, exigindo um aumentos nas necessidades calóricas. Contudo, é importante salientar sobre a qualidade dos alimentos ingeridos.

Aumento de calorias não significa que ele possa comer um bolo com sorvete em todas as refeições, mas que precisa dividir as 1400 kcal/dia recomendadas em refeições completas.

Equilibre a variação entre proteínas, gorduras e carboidratos. Apresente um prato balanceado, para garantir todas as necessidades sejam supridas, evitando a carência alimentar. Ao mesmo tempo, é importante cuidar para que o excesso causa problemas como a obesidade infantil.

Recomenda-se quatro refeições por dia, com 5 porções de carboidratos, 3 de verduras e legumes, 4 de frutas, 3 de leites e derivados, 2 de carnes e ovos, 1 de feijão, 2 de óleos e gorduras e 1 de açúcares.

Para ter uma ideia de como deve ser um prato equilibrado:

– 2 colheres de arroz

– 1 colher de feijão

– 4 fatias de cenoura cozida

– meio bife bovino grelhado

– e de sobremesa, uma fruta, talvez uma laranja.

As variações são bem-vindas, como a participação da criança na escolha do prato, porém é preciso saber orientar e insistir na oferta dos alimentos. Procure não forçar, deixando a experiência com a refeição mais prazerosa.

 

Sono

A rotina na hora de dormir fica um pouco diferente de quando ele era só um bebê. Cuidados maiores com a higiene como escovar os dentes, por exemplo, devem ser não apenas estimulados, como orientados. Provavelmente, ele vai querer fazer sozinho e você deve deixar que isso aconteça. Para quem já conseguiu realizar o desfralde noturno, lembre-o de usar o banheiro antes de dormir, para evitar possíveis escapes à noite.

A hora da história pode ser um pouco mais agitada para algumas crianças. Escolha um livro que tenha histórias sem muitas aventuras, deixando esses para outra ocasião. É interessante algo que o deixe mais calmo até depois de dormir, para reduzir a propensão a ter pesadelos.

Se ele tem ainda tem medo de monstros, uma sugestão é inventar uma hora do monstro. Faça com que esse medo se transforme em algo divertido. É válido realizar a caça aos monstros. Com uma lanterna, procure monstros pelo quarto. Deixe a lanterna próximo à ele e diga que só poderá acender caso ache que tem um monstro, como uma varinha mágica que os farão desaparecer.

É importante reforçar sobre evitar que a criança durma muito tarde. Programe para que ele tenha as horas recomendadas de sono.

Share

Karla Mendonça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *