9 semanas de gravidez

Semana 9 Azeitona

De acordo com a data da sua última menstruação, provavelmente você está com 9 semanas de gravidez. Assim como algumas mulheres, se essa é uma novidade na sua vida, parabéns e bem vinda à um mundo incrível!

Mesmo que os médicos prefiram contar o tempo de gravidez por semanas, por vários fatores, agora você está iniciando o terceiro mês. É muito normal confundir os sintomas de gravidez com uma TPM e o sangramento que ocorre é por conta da nidação, quando o embrião se fixa na parede uterina.

Mas não se preocupe, ainda dá tempo de fazer todos os exames e curtir muito o crescimento do seu bebê, que nessa fase já é considerado um feto. Se quer saber um pouco mais sobre o desenvolvimento do seu bebê nessa semana, o que você deve estar sentindo e cuidados, continue lendo

 

O desenvolvimento do bebê

Seu bebezinho é comparado a uma azeitona ou uma uva rubi. Tem entre 20 a 22 milímetros e pesa entre 3 a 4 gramas, muito pequeno e ao mesmo tempo muito amado.

As articulações entre ombros, cotovelos, pulsos e joelhos estão funcionando e ele já posiciona as mãos sobre o coração, que talvez possa ser ouvido durante a consulta com o obstetra, porém se não conseguir, não se preocupe, isso vai acontecer nas próximas semanas.

Ele se mexe muito no útero, mas como tem muito espaço lá dentro ainda não dá para perceber do lado de fora, só através do ultrassom. Tenha paciência, porque ele vai se desenvolver e crescer mais e logo os famosos chutinhos vão acontecer. Lembre-se de não comparar a sua gravidez com de outras mães, alguns bebês são mais calmos que outros.

A cabeça está ereta e os ouvidos estão quase prontos, o que significa que mais algumas semanas e ele vai ouvir sua voz do lado de fora.

 

O que acontece com a mamãe

Assim como o desenvolvimento do seu bebê, seus hormônios estão a mil, o que pode causar muito cansaço, fadiga e possíveis enjoos. Uma dica para aliviar é consumir limão, em suco, espremido na água, enfim, costuma ajudar.

Os seios estão mais pesados, bem sensíveis ao toque e vão continuar aumentando até o final da gravidez. As articulações mais soltas e as costas começam a doer devido a liberação do hormônio relaxina, que trabalha para abrir os quadris e preparar o corpo para a hora do parto.

Azia, retenção de líquido, prisão de ventre e congestão nasal podem acontecer, assim como desejos estranhos. A barriga pode estar mais dura no baixo ventre, mas se for a sua primeira gravidez, ela não aparece. Já a partir da segunda gravidez, o útero tem uma memória que faz com que a barriga já comece a crescer, apesar de pouco.

 

Cuidados que se deve tomar nessa fase

Exercícios na gravidez são bem vindos e até ajudam na hora do parto. No entanto, como as articulações estão mais soltas, é importante se atentar ao tipo de exercício praticado, evitando atividades de alto impacto, ao menos durante os primeiros meses.

Uma alimentação saudável e balanceada e a ingestão de líquidos são um ótimo auxílio para a retenção de líquido e prisão de ventre, além de evitar o excesso de peso, que pode levar a outros problemas como aumento da pressão arterial e diabete.

Evite ficar muito tempo em pé ou sentada, intercale esses momentos e, sempre que der, descanse com as pernas para cima, coloque um travesseiro em baixo dos pés e relaxe.

Talvez a ansiedade da gravidez prejudique suas horas de sono. Converse com o seu médico e procure se manter mais calma. Meditação, ioga e caminhadas leves são ótimos aliados.

Pode ser bem difícil esperar, mas não faça uso de substâncias químicas como tinturas de cabelo, alisamentos, tratamentos estéticos e sempre leia o rótulo ou pergunte ao profissional sobre possíveis compostos que possam prejudicar a saúde do seu bebê.

Também evite remédios sem orientação médica. As consultas com o obstetra costumam ser mensais, durante o intervalo entre elas, anote todas as suas dúvidas, sintomas e sensações e não tenha medo de falar sobre tudo com o médico, especialmente sintomas diferentes.

Incentive o pai participar desse momento com você. Programe para ir às consultas ou durante os exames de ultrassom.

Share

Karla Mendonça

Deixe um comentário